ARTE NA VITRINE

Fachada contrastante da Calvin Klein assinado pelo artista Sterling Ruby.

O relacionamento das grandes marcas de moda com a arte sempre encontrou na vitrine um palco para expor variáveis de ambos os mundos. A relação entre moda e arte nem sempre flui tão bem, mas, nesta modalidade de parceria, os resultados geralmente encontram um outro — e mais satisfatório — nível de expressão.

Há algumas semanas, um tom de amarelo-semáforo irrompeu sobre a Madison Avenue, em NY. Uma instalação de humor vibrante, assinada por Sterling Ruby, passou a contrastar com os pilares cinzentos do prédio que abriga a clássica loja da Calvin Klein no endereço. A marca está passando por uma dupla renovação: a recém chegada de Raf Simons na direção criativa e a reforma do próprio prédio.

A parceria com o artista veio a convite de Simons, empenhado em demarcar os novos rumos da casa e a reconstrução do estilo da CK — dessa vez, com forte adesão do american way of life. Ruby tratou de reforçar o clima de transformação e provisoriedade com andaimes e outros elementos que sugerem espaços em processo de reforma.

Raf Simon aponta para o futuro fazendo um gancho com o passado: em 1996 Dan Flavin já havia feito uma instalação no mesmo endereço.

Também em NY, a Tiffanys fechou parceria com a Whitney Biennal e escolheu cinco artistas para criar obras de arte de edição limitada destinadas as atraentes vitrines da flagship da marca na Fifth Avenue. O mesmo aconteceu no final da década de 1950, quando o designer de vitrine da Tiffany, Gene Moore, recrutou os pintores Robert Rauschenberg e Jasper Johns para criar exibições dramáticas para a casa de jóias.

Do outro lado do Atlântico, no ano passado, Dries Van Noten convidou Gill Button — que já havia feito ilustrações para Gucci e para as coleções do próprio Dries —  para fazer gravuras que  foram parar nas vitrines da marca, em Paris.

Vitrine da Dries Van Notem com gravuras de Gill Button.

A lista de colaborações é longa. E ajuda a dirigir o foco para uma estratégia antiga, mas que permanece com potencial de reforçar identidade de marcas como poucas.