A HISTÓRIA DA COR ROSA EM EXPOSIÇÃO NO FIT

Vestido de tafetá rosa, 1857, acervo do Museum Purchase, Eua.

Desde que Elsa Schiaparelli deu a alcunha de “choque” ao rosa, passando pela emancipação da cor na frase “pense rosa” imortalizada no filme Cinderela em Paris, anos mais tarde contestada por Karl Lagerfeld que rebateu: “pense rosa, mas não use”, a cor transitou entre o submundo e as doçuras do paraíso, alvo de amantes e opositores. Esse ano ela aporta no FIT, Fashion Institut of Technology, em Nova York, com uma retrospectiva que ajuda a contar sua histórias de controvérsias.

O rosa é popularmente associado ao infantil, a bailarinas, a bonecas e a tudo que esteja no campo estereotipado do feminino. No entanto, o simbolismo e o significado do rosa variaram muito ao longo do tempo. Se o estereótipo de rosa-para-meninas versus azul-para-meninos pode ser onipresente ainda hoje, ele só ganhou força mesmo em meados do século XX. No século XVIII, quando Madame de Pompadour ajudou a fazer do rosa um elemento fashionable na corte francesa, era perfeitamente apropriado que um homem usasse um terno rosa, assim como era para uma mulher usar um vestido rosa. Em culturas como a Índia, os homens nunca deixaram de usar rosa.

Para qualquer um que se disponha a estudar a história do rosa é inevitável enfrentar coisas como “a ambivalência inerente à cor”. O rosa provoca sentimentos fortes de “atração e repulsão”. “Por favor, irmãs, afastem-se do rosa”, escreveu um jornalista , comentando os chapéus de bichinho rosa usados na Marcha das Mulheres em 2017. Algumas pessoas acham que o rosa é bonito, doce e romântico, enquanto outros o associam com frivolidade infantil ou vulgaridade extravagante. Nos últimos anos, no entanto, o rosa já foi  interpretado como cool, andrógino e político. “Por que alguém escolheria azul quando há rosa?”, meditou o rapper Kanye West, “O rosa é, obviamente, uma cor melhor”. Nas palavras da revista i-D, o rosa é “punk, bonito e poderoso”.

Como se vê, as opiniões divergem. Definitivamente não há consenso a respeito do assunto. Curada por Valerie Steele, diretora do FIT, a exposição Pink: The History of a Punk, Pretty, Powerfull Color vai explorar a mudança do significado da cor rosa nos últimos três séculos e ficará aberta a visitação entre os dias 7 de Setembro de 2018 e 9 de Janeiro de 2019.

Prepare-se para ver muita roupa, acessórios, páginas de revista, páginas da web e  uma quantidade de objetos sem fim tingidos de cor de rosa por aí.